Fechar imagem

Notícias

Mais lidas

  • Prefeitura inicia criação de mais uma horta urbana em Formiga
  • Confederação Nacional dos Municípios destaca Banco Municipal de Alimentos em sua rede social
  • Acolhidos da Casa da Criança e do Adolescente visitam o Projeto Horta Urbana
  • Quarta-feira é feriado e Prefeitura informa que não haverá coleta de lixo em Formiga
  • Formiga é destaque no portal da Confederação Nacional dos Municípios
  • Abertas inscrições para entidades interessadas em comercializar alimentos na terceira edição do Avenida Cultural

19/07/2018 19h23

Prefeitura se prepara para Campanha Nacional contra a Poliomielite e a Tríplice viral

Vacinações ocorrerão de 6 a 31 de agosto em todas as unidades básicas de saúde de Formiga

Prefeitura se prepara para Campanha Nacional contra a Poliomielite e a Tríplice viral

A Campanha Nacional contra a Poliomielite e a Tríplice viral está programada para ocorrer no próximo mês em todo o país. A Prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, já está se preparando para as vacinações em Formiga. Do dia 6 a 31 de agosto, as doses estarão disponíveis em todas as unidades básicas de saúde do município. O “Dia D” da campanha está agendado para 18 de agosto (sábado), quando os postos de saúde estarão abertos de 8 às 17 horas.

Conforme informou a Secretaria de Saúde, a vacinação contra a Poliomielite é direcionada a crianças de 1 a 4 anos. Já a Tríplice viral (Sarampo, Rubéola e Caxumba) é aplicada tanto em criança quanto em adulto. A técnica em enfermagem Núbia Paiva de Araújo Bezerra, da UBS do Cidade Nova, afirmou que adultos com até 29 anos precisam ter recebido duas doses da tríplice viral. “Se tiverem deixado de receber a segunda dose, precisam procurar a UBS para se vacinarem. Caso tenha perdido o cartão de vacina e não sabe se foi vacinada, a pessoa recebe a dose”, disse Núbia que ainda ressaltou: “Pessoas de 30 a 49 anos recebem apenas uma dose da tríplice viral”.

Quem ainda não foi vacinado com a tríplice viral não precisa esperar a campanha para receber a dose. Segundo a Secretaria de Saúde, as vacinas estão disponíveis em todas as unidades de saúde, porque fazem parte do calendário básico de vacinação. Basta procurar os postos de segunda a sexta-feira, de 7h30 às 16 horas.

Já a vacina contra a Poliomielite está disponível em esquema de rodízio nos postos devido à pequena quantidade que é enviada pelo Ministério da Saúde.

Para receber as vacinas, é preciso apresentar o cartão de vacina e o cartão nacional do SUS.

Poliomielite

Conhecida popularmente como ´paralisa infantil´, a Poliomielite causa paralisia que começa de forma repentina e pode afetar desde as pernas até o corpo inteiro, comprometendo até a respiração. O vírus foi erradicado no Brasil na década de 90.

A contaminação da doença ocorre por contato fecal-oral, por objetos, alimentos e água contaminados com fezes de doentes ou portadores, ou pela via oral através de gotículas de secreções ao falar, tossir ou espirrar.

Tríplice viral

A vacina Tríplice viral é uma combinação de vírus vivos atenuados contra o Sarampo, a Caxumba e a Rubéola, apresentada sob a forma liofilizada, em frasco-ampola com uma ou múltiplas doses. Todos os três componentes desta vacina obrigatória são altamente imunogênicos e eficazes, dando imunidade duradoura por praticamente toda a vida. A proteção inicia-se cerca de duas semanas após a vacinação.

O Sarampo é uma doença infectocontagiosa causada por um vírus chamado Morbillivirus. A enfermidade é uma das principais responsáveis pela mortalidade infantil em países do terceiro mundo e causa de surtos em países desenvolvidos onde a cobertura vacinal não é alta

A Caxumba é uma doença contagiosa que provoca o inchaço doloroso das glândulas salivares. A caxumba é causada por um vírus, que se dissemina de uma pessoa para outra por via respiratória (através de gotículas ao espirrar, por exemplo) ou por contato direto com itens que foram contaminados pela saliva infectada.

A Rubéola também é causada por um vírus que se transmite de uma pessoa para outra por via respiratória. É geralmente benigna, mas, quando ocorre na gravidez, pode fazer com que o feto desenvolva a síndrome da rubéola congênita, caracterizada por uma série de malformações. Uma pessoa com rubéola pode transmitir a doença a outras pessoas desde uma semana antes do início da erupção até uma a duas semanas depois do seu desaparecimento.

    Compartilhe

     
    Prefeitura Municipal de Formiga