Fechar imagem

Notícias

Mais lidas

  • Saae contratará empresa para elaborar projeto da nova barragem
  • Idosos beneficiários do BPC têm até 31 de dezembro para se recadastrar no Cadastro Único
  • Prefeitura realiza tapa-buracos no Centro
  • Elaborado projeto de lei que institui a política municipal de estímulo à inovação e ao empreendedorismo
  • Prefeitura elabora projeto para organizar trânsito no Centro da cidade
  • Prefeitura se reúne com ambulantes para explicar nova legislação

13/11/2017 19h19

Ecologista orienta população sobre como lidar com as garças

Aves se alojaram em um bambuzal nos fundos da sede da Associação Mão Amiga e montaram um ninhal

Ecologista orienta população sobre como lidar com as garças

Algumas garças fêmeas se aproveitaram do ambiente propício e transformaram um bambuzal nos fundos da Associação Mão Amiga em um ninhal. Desde então, os moradores da região estão reclamando de diversos transtornos causados pelas aves, principalmente pelo mau cheiro. Por causa disso, a ecologista, perita ambiental do Ministério Público e colaboradora da Prefeitura, Débora Lobato, foi ao local orientar os moradores.

Além da orientação à população, Débora também fará um monitoramento constante das garças, para que sejam adotadas medidas que minimizem os problemas causados pelas aves.

Débora é formada em ecologia pela UFMG, ornitóloga e possui doutorado em ecologia, conservação e manejo da vida silvestre. Para realizar os estudos, ela conta com o auxílio da estagiária Natália Ferreira Cardoso, que estuda ciências biológicas na UEMG de Divinópolis.

Garças no Centro

No dia 28 de setembro, o prefeito Eugênio Vilela assinou um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com o Ministério Público. Nele, ficou acordado que Débora seria a perita ambiental do MP para realizar o estudo sobre garças que estão na Avenida Paulo Lins, no Centro.

Desde então, a ecologista realiza monitoramento das aves ao longo do Rio Formiga. O TAC estipula que, após 18 meses de estudos, a ecologista apresentará um projeto para redução do desconforto da população que passa pelo local e que seja ambientalmente sustentável.

Uma medida a curto prazo sugerida por Débora e que será adotada pela Prefeitura é a poda parcial das árvores onde ficam as garças. A poda será feita de forma que não seja afetado o ambiente para abrigo das aves e que minimize os efeitos causados na via de circulação.

A ecologista fez monitoramento do horário que as aves ficam nas árvores, de forma que a poda ocorra quando elas não estão. Novas ações de manejo estão sendo elaboradas para serem executadas a longo prazo.

O TAC estabeleceu 18 meses para a apresentação final do estudo e das recomendações de manejo das aves.

Compartilhe

 
Prefeitura Municipal de Formiga